Você já ouviu falar em technostress? Essa é uma área de estudo que vem aumentando cada dia mais. Seu objetivo? Pesquisar os efeitos estressantes que a tecnologia pode trazer para sua saúde e felicidade. E não é nenhum exagero, algumas pessoas chegam a falar que os smartphones (os celulares que estão o dia inteiro e o tempo todo ao nosso alcance) são tão perigosos que podem estar matando pessoas!

Os perigos em estar “sempre ligado” no e-mail

Muita gente fica do lado do celular o tempo todo, inclusive no pós-expediente, para ver e consultar e-mails corporativos que “são essenciais”, mas será que são mesmo? Alguns especialistas dizem que os empregadores têm a responsabilidade de limitar o e-mail após o horário de trabalho, mas cabe também ao funcionário se disciplinar nesse sentido e minimizar o tempo gasto na caixa de entrada. Afinal, “estar sempre ligado” pode levar a ansiedade, depressão e trazer prejuízos também a saúde física.

Escrevendo ao americano The Guardian, a jornalista Moya Sarner descreveu um processo que adotou para conseguir gerenciar aquilo que chamou de “caixa de e-mail indisciplinada”. Resolveu então pesquisar os efeitos negativos que podem surgir quando temos acesso constante ao e-mail, Sarner conversou com o psicólogo organizacional da Manchester Business School, Sir Cary Cooper, que revelou “estar sempre nos e-mails está matando pessoas”. Para o terapeuta acessar os e-mails sem restrições pode ser muito prejudicial: “Isso leva à preocupação, ansiedade, depressão e saúde física. Há um campo inteiro agora chamado de tecnostress, e a evidência é que os e-mails sem restrições, onde não há orientação dos empregadores, são prejudiciais para a saúde das pessoas “, revela Cooper.

O que a empresa pode fazer para melhorar o Technostress

Embora você não esteja familiarizado com o termo “technostress”, certamente já experimentou os sintomas dele em seu cotidiano. O site de notícias norte-americano, Business Insider, falou sobre o assunto com Ron Friedman, um psicólogo e o autor do livro ” O melhor lugar para trabalhar “. Para Friedman, a verificação constante do e-mail pode prejudicar a produtividade e a qualidade de vida geral, ou seja, os danos chegam não só para o funcionário como também para a produção da empresa.

Para Friedman, esse problema crescente poderia ser facilmente solucionado com ações dos empregadores. “Eu acho que os gerentes fariam bem em levar essa pesquisa [sobre os benefícios de limitar o tempo que você gasta ao verificar o e-mail] para o coração. Eles podem começar por capacitar seus funcionários para desligar seu e-mail quando precisam se concentrar no trabalho e modelar esse comportamento para que seus membros da equipe tenham evidências claras dos limites que são aceitáveis”, diz Friedman.

E algumas empresas globais já começaram a pensar nisso. Sarner relata que a Porsche, por exemplo, disse que qualquer correspondência enviada aos funcionários entre as sete e as seis horas da manhã deve ser “devolvida ao remetente”. Já os trabalhadores franceses têm  o direito agora de “se desconectar ” da tecnologia. O que significa que as empresas devem negociar com os funcionários para concordarem quando e como eles podem “desligar”.

E você, o que pode fazer para amenizar o Technostress? Ao site de tecnologia Thrive Global , Heidi Hanna, que é o diretor executivo do American Institute of Stress, aconselha  que o ideal é sempre evitar ser multitarefa, sempre que possível. Se você deveria trabalhar em um relatório de projeto, alternar entre o documento e sua caixa de entrada, pode não fazer nada bem tanto a qualidade do seu trabalho, quanto a sua saúde. Fique atento!